Italva

Site Oficial

Buscar Onibus

  • ENCONTRE LINHAS DE ÔNIBUS


  • Italva é um município do estado do Rio de Janeiro, no Brasil. Localizado a 36 metros de altitude, conta com uma de população de 14 063 habitantes.

    A origem dos municípios de Cardoso Moreira e Italva encontra-se ligada à de Campos, município ao qual pertenciam até recentemente como sedes distritais. A região de Italva já era habitada pelos índios Tupis-guaranis, Puris e Goitacases antes da chegada, em meados do século XIX, de fazendeiros latifundiários. Devido à grande extensão de suas propriedades, moravam a enormes distâncias uns dos outros, não havendo, portanto, por volta de 1850, qualquer indício de vilas ou aglomeração de moradores. Cabe ressaltar que, nesse período, pertenciam a Italva todos os limites atuais e ainda a área compreendida por Boa Ventura e Córrego da Chica, entregues mais tarde a São José do Avahi (Itaperuna). Para chegar a essa região o percurso era facilitado pela possibilidade de se navegar em boas condições pelo Rio Muriaé, em vez de enfrentar caminhos rudimentares e trilhas por entre densas matas. Mas, ao atingirem Cardoso Moreira, não havia outro meio de se chegar à terra do mármore que não a pé, em virtude das fortes corredeiras e cachoeiras. Estes aspectos encontrados pelos pioneiros desbravadores assim que atingiram a região deram origem ao primeiro nome que Italva recebeu ao se tornar freguesia em 1873: Santo Antônio das Cachoeiras. Os campos dos Goitacases foram ocupados a princípio por criadores de gado. Posteriormente, a região progrediu com a cultura da cana-de-açúcar, que se expandiu pelos aluviões entre o Rio Paraíba do Sul e a Lagoa Feia. No século XVIII, a economia local girava exclusivamente em torno de atividades rurais e o vilarejo só foi elevado à categoria de cidade em 1835, com o nome Campos dos Goytacazes. Uma das peculiaridades da cultura canavieira na planície campista era a existência, ao lado dos latifúndios, de grande número de pequenas propriedades. Este fato talvez possa explicar a relativa rapidez com que se recuperou a agricultura do município após a Lei Áurea. A grande riqueza de Campos, no século XIX, pode ser creditada à expansão da produção açucareira, inicialmente apoiada nos engenhos a vapor, mais tarde substituídos por usinas de açúcar. Várias dessas antigas usinas foram fechadas ou absorvidas pelas maiores, em anos recentes, concentrando-se a produção em menor número de estabelecimentos. A pecuária sempre manteve papel importante na economia da região, e o café foi responsável pela prosperidade dos antigos distritos de Cardoso Moreira e Italva, onde hoje predomina o gado leiteiro. A função polarizadora de Campos dos Goytacazes remonta a sua própria evolução histórica, tendo o município exercido papel fundamental como difusor do povoamento por toda a área do Noroeste Fluminense.

    Distrito criado com a denominação de Santo Antônio das Cachoeiras de Muriaé, pela lei provincial nº 1937, de 06-11-1873 e deliberação estaduais de 25-10-1890 e de 10-08-1891, bem assim por decretos estaduais nºs 1 de 08-05-1892 e 1-A, de 03-06-1892, subordinado ao município de Campos. Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o distrito denominava-se Cachoeiras figurando no município de Campos. Pela lei estadual nº 1794, de 31-12-1923, transfere a sede do distrito de Cachoeiras para a povoação de Paraíso assumindo o distrito esta denominação. Pelo decreto estadual nº 2529, de 29-12-1930, transfere a sede do distrito de Paraíso para a povoação de Monção assumindo o distrito esta denominação . Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o distrito de Monção ex-Paraíso figura no município de Campos. Assim permanecendo em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937. Pelo decreto-lei estadual nº 1056, de 31-12-1943, o distrito de Monção passou a denominar-se Purus. No quadro fixado para vigorar no período de 1939-1943, o distrito de Purus ex-Monção figura no município de Campos. Pelo decreto-lei estadual nº 1244, de 09-10-1944, o distrito de Purus passou a denominar-se Italva. Em divisão territorial datada de 1-VII-1960 o distrito de Italva ex-Purus permanece no município de Campos. Assim permanecendo em divisão territorial datada de I-I-1979. Elevado à categoria de município com a denominação de Italva, pela lei estadual nº 681, de 11-11-1983, desmembrado de Campos. Sede no antigo distrito de Italva. Constituído do distrito sede. Firmado por todo o território do distrito de Italva, tendo a lei omitido a área do distrito de Paraíso sendo instalado. Posteriormente, o município foi anulado por acórdão do STF, de 25-09-1985, que declarou a inconstitucionalidade da lei nº 681, de 11-11-1983 (representação nº 1223-9/RJ). Elevado novamente à categoria de município com a denominação de Italva, pela lei estadual nº 999, de 12-06-1986, desmembrado de Campos. Sede no antigo distrito de Italva. Constituído do distrito sede. Formado por todo o território dos distritos de Italva e Paraíso (este último criado e não instalado, com 272 km de área total. Instalado em 31-12-1986). Em divisão territorial datada 18-VIII-1988, o município é constituído do distrito sede. Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

    Fonte: IBGE